Perdemos o Nasser.

Não teremos  mais conosco  o brilho, a sofisticação, a elegância, o espírito fino e atilado, o conhecimento.

A Abiauto perde um fundador, sócio interessado e participante, um conselheiro nas duas pontas do conselho, como amigo e como advogado.

Perda que não se mede para o jornalismo automotivo em abrangência e profundidade, texto notável, conteúdo admirado e respeitado, um dos mais competentes profissionais do meio nesta curta existência da indústria nacional.

Perda maior ainda para o antigomobilismo que ele fez reconhecido legal e formalmente, deixando uma herança que é e será eternizada na lei e na lembrança.

Perdemos o Nasser companheiro, a fina ironia e o sorriso maroto, a participação ativa e inteligente nas coletivas que ele, muitas vezes, transformava de rotina maçante em tema enriquecedor e bem humorado.

É, gente, perdemos o Nasser…

Roberto Nasser, Ana Célia Aragão e André Senador
Roberto Nasser, Ana Célia Aragão e André Senador